As ascensões foguetórico-meteóricas


Ausentes em S. Tomé e Príncipe durante mais de 3 semanas, onde nos deslocamos em serviço profissional, que aproveitamos para visitar, entre outras localidades, o Distrito de Cantagalo e as suas infindáveis obras de abastecimento de água, vamos agora procurar pôr a escrita em dia.

Soubemos que houve eleições para a distrital do PSD de Lisboa, ganhas por Miguel Pinto Luz. Uma vitória folgada, com o se não de ter perdido em Oeiras, onde a lista de Pedro Rodrigues ganhou sem espinhas. Será o sinal de mudança em Oeiras e do qual temos feito eco?

Há 2 anos estivemos ao lado de Jorge Paulo Roque da Cunha contra Miguel Pinto Luz; este ano, devido à nossa são-tomense ausência não pudemos manifestar o nosso apoio público a Pedro Rodrigues, que não conhecemos pessoalmente, sabemos apenas que foi líder da JSD até 2010.

Sabemos também que no dia 22 de novembro vão decorrer eleições para o PSD Oeiras. Candidatos? Corre por aí que Ângelo Pereira é um dos candidatos. O Oeiras Mais Atrás vai aguardar para ver, ouvir e tomar posição se assim entender.

Fomos pondo a leitura em dia recorrendo também ao inevitável Facebook. As eleições para a distrital de Lisboa do PSD mereceram algum destaque, bem como os atos para algumas concelhias, Lisboa, Cascais e Odivelas. Chamou a nossa atenção um desabafo de um militante de Oeiras, Helder Sá, que, desiludido com os resultados de Lisboa, considera que mais tarde ou mais cedo sairá do PSD. Este desapontamento foi aproveitado pelo novo presidente da concelhia de Cascais, Nuno Piteira Lopes, para lhe desejar boa viagem e referir que já vai tarde.

O Oeiras Mais Atrás está-se defecando para desavenças entre militantes do PSD, a única coisa que pode dizer é «são laranjas, entendam-se», por mais amargas que sejam as de Oeiras, as de Cascais ou ambas.

Helder Sá é referido pelos seus adversários como tendo um feitio intragável, intratável, invergável e irrevogável, ao contrário daqueles que com ele lidam de mais perto, que lhe atribuem grande personalidade, que ousa enfrentar quem quer que seja e por mais poderoso que seja, na defesa das suas convicções. As suas postagens no FB e em blogues são bem sintomáticas.

Voltando ao Facebook e aos desabafos de Helder Sá, este lança um desafio aos seus leitores, questionando quem é (ou quem foi) nomeado diretor municipal aos 30 anos de idade. O Oeiras Mais Atrás como gosta de desafios e necessita de esquecer as horas menos agradáveis que passou quando saiu da cidade de S. Tomé para o interior do país, fez os seus contatos e pesquisas e descobriu pelo menos uma pessoa que aos 31 anos foi nomeada diretor municipal num município bem perto de nós. Aqui vai.

 NPL

Para uma melhor compreensão da competência do nomeado nada melhor que ler aqui os rasgados elogios que Carlos Carreiras lhe fez quando assumiu a presidência da Câmara de Cascais, em substituição de António Capucho, no seguimento daquilo que a imprensa relatou como «Carlos Carreiras ‘arruma a casa’». Como se pode ler, os desdobramentos que Carlos Carreiras fez dos pelouros que Capucho tinha entregue ao vereadores, foram o primeiro passo para a distribuição de «tachos, panelas e alguidares» na autarquia, a que se seguiram as «panelas, alguidares e tachos» na empresas municipais.

Começar de cima, sem ter passado por chefe de divisão, diretor de departamento ou chefe de secção, é realmente obra e só ao alcance de sobredotados (não façam um sorriso maroto, não nos referimos a sexo).

Como o euromilhões saiu em Espanha, não podemos reclamar os 10% oferecidos pelos desafiador.

O nosso agradecimento à leitora que, se afirmando como funcionária da Câmara Municipal de Cascais, nos enviou alguns elementos e que enriqueceram a nossa pesquisa. A sua identificação, incluindo o endereço de correio electrónico, serão sigilosos. Como sempre.

OEIRAS E CASCAIS, TÃO DIFERENTES E TÃO IGUAIS


Em Oeiras, o PSD esconde-se atrás do grená, de Moita Flores e de Uma Nova Ambição;

Em Cascais, Carlos Carreiras e o PSD escondem-se atrás da cor azul e do Movimento Viva Cascais, que de Movimento não tem nada, é uma coligação de partidos (PSD+CDS).

Aqueles que contribuíram para o descrédito do PSD e que têm uma considerável quota parte de responsabilidade na eleição de Passos Coelho, casos de Carlos Carreiras e Alexandre Luz, têm vergonha do PSD, escondendo-se, ardilosamente, atrás de cores e siglas que nada têm a ver com o PSD social democrata.

A supremacia de Carlos Carreiras, via Miguel Pinto Luz, sobre a concelhia do PSD de Oeiras continua, qual cordão umbilical que não pode ser cortado, sob pena de virem à luz do dia coisas que devem permanecer enterradas ou hibernadas.

O PSD de Oeiras é um protectorado do PSD de Cascais, corporizado pelo carreirista Carlos Carreiras.

A nova CatarinaO novo PedroViva Cascais

PEDRO AFONSO DE PAULO, VICE DE MOITA FLORES


Foi noticiado na tarde hoje que um dos secretários de Estado a sair do Governo seria Pedro Afonso de Paulo, responsável pelo Ambiente e Ordenamento do Território no Ministério tutelado por Assunção Cristas.

Fizemos alguns telefonemas e pudemos confirmar o seguinte: a saída de «PP», como é conhecido em Oeiras, não está relacionada com qualquer desentendimento com a Ministra, o objetivo é colocá-lo como nº 2 na lista do PSD Oeiras, encabeçada por Moita Flores.

Segundo a mesma fonte, terá sido Carlos Carreiras, de quem Pedro Afonso de Paulo foi Vice-Presidente da Distrital de Lisboa, que terá mexido os cordelinhos para promover a integração na lista de candidatos à vereação oeirense, com o beneplácito de Miguel Pinto Luz, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Cascais, ou seja, Vice-Presidente de Carlos Carreiras. Aliás, Carlos Carreiras nunca deixou de controlar a Distrital, assim como Isaltino Morais nunca deixou de controlar a Câmara de Oeiras quando foi para o Governo e esta ficou entregue a Teresa Zambujo.

Recorde-se que Pedro Paulo foi o nº 2 na lista PSD/Isabel Meirelles em 2009, sem nunca ter assumido o lugar, mantendo-se como administrador do grupo SAPEC, ao qual agora regressa.

Com esta aposta de Carreiras, Alexandre Luz é relegado para 4º lugar, Ângelo Pereira para 5º e Ricardo Lino para 7º, na lista que, a pouco e pouco se vai construindo. Contudo, a exemplo do que aconteceu em Santarém, não é de descartar a possibilidade Moita Flores incluir nos lugares elegíveis pessoas da sua confiança, ainda que não residindo em Oeiras, tanto mais que sabe as «linhas com que se cose», após as conversas que terá tido com Teresa Zambujo, Isabel Meirelles, José Eduardo Costa e outros antigos vereadores de Oeiras.

Pedro Afonso de Paulo é amigo de Isaltino Morais e de Paulo Vistas, pelo que esta jogada de enorme importância política vem confirmar o que escrevemos, ou seja, tudo se conjuga para que a próxima governação municipal seja UMA NOVA AMBIÇÃO MAIS À FRENTE ou MAIS À FRENTE UMA NOVA AMBIÇÃO.

Quem foi, quem é Miguel Pinto Luz, o novo inimigo da transparência em Oeiras


No dia 17 de Maio de 2005 a Comissão Política Nacional do PSD aprova o nome de António Capucho como (re) candidato à Presidência da Câmara Municipal de Cascais.

Ora, competia a António Capucho formar a sua equipa, negociando com o CDS-PP.

Eis, se não, que Carlos Carreiras vence as eleições para a concelhia do PSD Cascais, da forma fraudulenta descrita em uma “ANATOMIA DE UMA FRAUDE”.

Carlos Carreiras impõe-se a António Capucho como Vice-Presidente, chegando a pôr em causa a continuidade nas listas da coligação dos vereadores Luís Marques Guedes (actual Secretário de Estado da PCM), de Carlos Filipe Reis, de Rui Rama da Silva e da independente Ana Clara Rocha de Sousa Justino.

António Capucho, fiel ao PSD e ao seu compromisso com o Partido, cede às exigências de Carlos Carreiras, que lhe impõe Miguel Pinto Luz, e “despedindo” Carlos Filipe Reis e Rui Rama da Silva.

António Capucho ainda terá pensado em bater com a porta perante as exigências de Carlos Carreiras; contudo, tinha presente que, se o fizesse, tal constituiria um retrocesso na recandidatura, que se poderia consubstanciar num desastre eleitoral ao qual não quereria ficar associado.

Carlos Carreiras tramou Isabel Meirelles, candidata PSD a Oeiras em 2009, trabalhando na sombra com Isaltino Morais e os seus peões de brega: Pedro Afonso de Paulo, localmente conhecido por “PP” e Alexandre Luz, “Alex” para os amigos.

Os voos de Carlos Carreiras são outros, mas não quer perder o Poder, nem as “redes” que construiu. Miguel Pinto Luz, alcunhado no PSD Cascais por “otário” (por ter sido um grande defensor do aeroporto da Ota), é a “lebre” de Carreiras, o seu homem de mão, para continuar a subjugar Oeiras a Cascais.

“Cada concelhia do PSD tem o seu controleiro, o seu vígaro eleitoral. Maria Josefina dos Santos Cigarra, mais conhecida por Josefina, foi durante anos a controleira do PSD Algés, trabalhando ora para Helena Lopes da Costa, ora para Isaltino Morais, até se passar para o IOMAF. Miguel Pinto Luz, associado a Alexandre Luz, e com o lambe-botas João Salgado é o controleiro de Cascais, o adúltero dos votos, como a Josefina foi anos a fio a adúltera dos votos, da podridão do PSD Algés e de vigarices eleitorais em Oeiras” referiu-nos um ex-dirigente do PSD Algés que durante anos militou na secção concelhia de Cascais.

Ao “OEIRAS MAIS ATRÁS” chegam informações que não pedimos, relatos que não solicitamos. Não podemos ficar calados: Oeiras é mais importante que qualquer partido político e a trafulhice eleitoral em preparação tendente a entregar o PSD Lisboa AML a Miguel Pinto Luz / Carlos Carreiras / Alexandre Luz / Pedro Afonso de Paulo / João Salgado e aos tentáculos de Isaltino Morais são mais fortes que a nossa vontade de ficarmos longe da política partidária local e distrital, pelo que o “OEIRAS MAIS ATRÁS”, ainda que não votando, se assume apoiante e divulgador do projecto e da pessoa de JORGE PAULO ROQUE DA CUNHA!

Militante do PSD: no dia 19 de Novembro defende o futuro de Oeiras votando em JORGE PAULO ROQUE DA CUNHA!

Pelo futuro de Oeiras


Este blogue assume-se como defensor da transparência no município de Oeiras, algo que há muito desapareceu.

Os mandatos do IOMAF são um autêntico desastre para os oeirenses e para o seu futuro, cada vez mais hipotecado. Não bastava o desastre nacional, vemo-nos confrontados com um desastre municipal.

Somos equidistantes de qualquer força política e se a nossa crítica, satírica por vezes, se dirige ao IOMAF e a Isaltino Morais, aqui e acolá ao PSD, ao PS e à CDU, é porque há uma enorme promiscuidade entre todos os partidos representados na vereação e na Assembleia Municipal, excepção feita ao Bloco de Esquerda e ao seu aguerrido e inteligente deputado Miguel Pinto.

No dia 19 de Novembro, sábado, vão realizar-se eleições para a Comissão Política da Área Metropolitana de Lisboa do PSD, constituída por 10 secções concelhias, à qual concorrem dois candidatos: Miguel Pinto Luz e Jorge Paulo Roque da Cunha.

De Jorge Paulo Roque da Cunha, dos contactos feitos pelo “Oeiras Mais Atrás” junto militantes do PSD de Oeiras, Amadora, Odivelas, Cascais e Sintra, temos as melhores referências: 100% social-democrata, incorruptível, independente, competente, trabalhador, humilde.

Os inquéritos que efectuamos no PSD Cascais, junto de funcionários da Câmara de Cascais e na EMAC sobre Miguel Pinto Luz, comprovam o que foi escrito sob o título ANATOMIA DE UMA FRAUDE: uma figura que se movimenta na sombra, indefectível de Carlos Carreiras, seu Padrinho político, ávido de poder.

O eixo Cascais-Oeiras é perigosíssimo para aqueles que lutam contra o estado em que se encontra a Câmara Municipal de Oeiras: compadrio, amiguismo, negócios escuros, decadência, falência.

A preocupação do grupelho liderado na sombra por Carlos Carreiras, acolitado por Alexandre Luz, Pedro Afonso de Paulo e outros, cujo rosto é Miguel Pinto Luz, tem por objectivo perpetuar as negociatas isaltinistas e carreiristas e, sobretudo, impedir que um novo Presidente e um novo Executivo municipal de Oeiras em 2013 possam tirar todos os “esqueletos” que estão no armário e que comprovarão que o município está falido, que os orçamentos têm sido “martelados”. Carlos Carreiras e Alexandre Luz, através de Miguel Pinto Luz querem evitar que surja uma nova Teresa Zambujo, que poderá desmascarar as vigarices, as patranhas e a gestão danosa de Isaltino Morais e do seu grupo IOMAFiano.

Era nossa intenção não nos imiscuirmos na vida partidária; porém, a eleição do Presidente Distrital de Lisboa do PSD AML terá enormes repercussões em Oeiras, pelo que não podemos ficar de fora e lavar as mãos como Pilatos. Não votamos, nada nos impede de apelar ao voto em Jorge Paulo Roque da Cunha.

Militante do PSD, dia 19 de Novembro, sábado, VOTA JORGE PAULO ROQUE DA CUNHA! Vota pela mudança em Oeiras!