Censura e perseguição na Oeiras Viva (FIM)


Do que aqui expusemos, realçamos o seguinte:

1. A Dra. Teresa Carvalho agiu legitimamente, como coordenadora da comissão de trabalhadores da Oeiras Viva, na defesa de todos os colegas, dos até 1000 euros e dos mais de 1000,00 euros.

2. A Dra. Teresa Carvalho, enquanto coordenadora da comissão de trabalhadores, estava protegida pela lei, ainda está protegida pela lei, sendo punida com a pena de 22 dias sem remuneração.

3. Luís Almeida e João Rodriguez, enquanto membros da comissão de trabalhadores, estavam protegidos pela lei, sendo os seus processos arquivados.

4. Perante estes dados é legítimo que perguntemos o seguinte:

a)     O advogado da Dra. Teresa Carvalho foi incompetente?

b)     Os advogados de Luís Almeida e João Rodriguez são tão competentes que conseguiram rebater a acusação do advogado da Oeiras Viva?

c)      Ou, a exemplo do que vemos nos filmes, foi utilizada a figura do “arrependido” e Luís Almeida e João Rodriguez apontaram a Dra. Teresa Carvalho como a grande responsável por todos os males da Oeiras Viva?

Este ato persecutório tem todos os indícios de assédio moral na pessoa da Dra. Teresa Carvalho. Quando alguém é marginalizado, quando a alguém é retirado trabalho, quando alguém é esvaziado das suas funções profissionais, isto é assédio moral!

Há quem pense que vivemos numa qualquer ditadura onde a liberdade de expressão não existe, há quem pense que os membros dos conselhos de administração das empresas municipais são donos destas, por isto, dão-se mal com o escrutínio, com a fiscalização dos seus atos.

A atuação do conselho de administração da Oeiras Viva faz-nos lembrar a «virgem ofendida» que, sendo mais prostituta que as prostitutas, pretende aparecer aos olhos da opinião pública como a mais honrada.

O Oeiras Mais Atrás espera que o presidente Paulo Vistas recupere o projeto do Dr. Isaltino Morais e faça a fusão de todas as empresas municipais numa única, que bem poderá ser a Oeiras Viva – Sociedade de Gestão Urbana.

A nossa intervenção neste processo fica por aqui. Por enquanto. Sabemos que prossegue em outras instâncias até que a verdade seja resposta e se faça justiça.

UMA NOVA AMBIÇÃO MAIS À FRENTE


Santana Lopes, quando saiu de 1.º Ministro e de líder o PSD, afirmou que iria «andar por aí». O Oeiras Mais Atrás faz precisamente o mesmo. Anda por aqui, anda por acoli, escuta uns e outros, vai juntando os pauzinhos na esperança de trazer à luz do dia aquilo que se passa na sombra. Pelo menos o que se ouve.

Foi estranho (ou talvez não) o discurso de Moita Flores na apresentação da sua candidatura à Câmara Municipal de Oeiras quando, a determinada altura, elogiou o trabalho de Isaltino Morais e se propôs dar-lhe continuidade.

Poderia Moita Flores ter dito o mesmo por outras palavras? Por exemplo: «comprometo-me a manter Oeiras na senda do progresso, a manter o desenvolvimento que atingiu nos últimos 26 anos!» sem invocar o nome do ainda presidente.

E se as dezenas de milhões de euros das parcerias público privadas tiverem de ser pagas pelo município, manterá Moita Flores o mesmo discurso em tom de agradecimento?

Informações que nos chegaram relatam que Moita Flores foi a Porto Salvo sem que o PSD local (Assembleia de Freguesia), liderado por Luís Costa Tavares, fosse informado.

De Algés também nos chegou a notícia de que Moita Flores por ali andou, sem que ao PSD local (Assembleia de Freguesia) encabeçado pela ex-Presidente Alda Lima, tivesse sido dado conhecimento.

O PSD Oeiras faz anualmente o seu jantar de Natal. Este ano não houve. É verdade? Disseram-nos que os convidados foram a comissão política e mesa da assembleia da concelhia do PSD e da JSD, mais alguns membros da comissão da floral candidatura. Será verdade?

Dizem-nos também que Nuno Custódio, vice-presidente do PSD Oeiras, que teve um “tacho” no gabinete verde de Paulo Vistas, que andou afastado uns meses do partido até Helena Lopes da Costa lhe arranjar uma “panela” em instituição ligada à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, é tesoureiro do IOMAF/AOMAF, associação que se mentirosamente se reclama de cívica, quando é uma associação política.

Se Nuno Custódio é tesoureiro do IOMAF, o que faz como vice-presidente do PSD Oeiras e na candidatura de Moita Flores?

Quando é que o PSD Oeiras decide esclarecer os militantes e simpatizantes sobre estes rumores?

A confirmar-se que Nuno Custódio é tesoureiro do IOMAF/AOMAF o que vai fazer o PSD?

É cada vez mais visível que a candidatura de Moita Flores é o projecto de UMA NOVA AMBIÇÃO MAIS À FRENTE, tal a quantidade de «verdes» e de “verde-alface” que pululam na sua candidatura. Se não abrir a pestana arrisca-se a ser a «Isabel Meirelles 2».

Para terminar uma última informação: garantiram-nos que a floral campanha está a ser organizada pela NEXTPOWER, empresa onde trabalha Alexandre Luz e que, por mera coincidência, a campanha de Paulo Vistas é também da responsabilidade da NEXTPOWER. É verdade?

Vamos andar por aí.