Despedimentos nas empresas municipais


O Oeiras Mais Atrás fez-se representar na sessão de 10/12 da Assembleia Municipal. E o que ouviu vem desfazer o mito do IOMAF de que não haveria despedimentos nas empresas municipais. A deputada Isabel Sande e Castro colocou a questão ao Presidente Paulo Vistas e este confirmou que haverá despedimentos e até o encerramento de empresas.

A proposta que o ex-Presidente Isaltino Morais apresentou há mais de 1 ano e que aglutinaria na Oeiras Viva o LEMO, Habitágua e Parques Tejo era a melhor solução para o setor empresarial local e para a salvaguarda dos postos de trabalho. PS e PSD, demonstrando uma enorme cegueira política e social, pensando nas eleições e na possibilidade de nelas colocarem os seu homens e mulheres de mãos nos «tachos», reprovaram a proposta.

A haver despedimentos, o PSD e os vereadores Ricardo Rodrigues e Ricardo Pinho são co-responsáveis por esta tragédia social, nunca vivida no universo do Município de Oeiras.

Nesta altura o projeto de uma única empresa municipal centralizada na Oeiras Viva não parece ser recuperável, pelo que se impõe a extinção das empresas, de todas elas, e a (re) integração das suas atividades na Câmara Municipal de Oeiras.

Não faltará muito para que os trabalhadores comecem a suspirar pelo Presidente Isaltino Morais, caso Paulo Vistas não cumpra as promessas do seu antecessor, às quais se encontra vinculado.

Oeiras Mais à Frente ou Oeiras Mais Atrás?

ASSESSORIA PARA REESTRUTURAÇÃO DO SETOR EMPRESARIAL LOCAL: GESTÃO DANOSA DE ISALTINO MORAIS E PAULO VISTAS


No dia 28 de Fevereiro de 2012, a Câmara Municipal de Oeiras assinou um contrato de prestação de serviços de assessoria económica e financeira com a Ernest & Young, S.A., no valor de 73.000,00 euros.

Ontem, ficamos a saber que o estudo encomendado pelo Governo para análise aos 36 contratos de Parcerias Público-Privadas (PPP) rodoviárias, ferroviárias e da saúde custou 210 mil euros, afirmou José Gonzaga Rosa, ‘partner’ da consultora Ernst & Young que realizou o trabalho, na Comissão Parlamentar de Inquérito às PPP.

Em Oeiras, para análise da viabilidade económica e financeira das 4 empresas municipais – HABITÁGUA, LEMO, OEIRAS VIVA e PARQUES TEJO – a riquíssima e gastadora Câmara Municipal de Oeiras, leia-se IOMAF/Isaltino Morais/Paulo Vistas, pagou 73.000,00 euros!

Para a análise de 36 contratos das PPP, de elevado grau de complexidade, o Governo pagou 210.000,00 euros, para a análise do Relatório e Contas e Balanços Financeiros de 4 empresas manhosas, criadas para entachar amigos, Isaltino Morais e Paulo Vistas pagaram 73.000,00 euros!

A Câmara Municipal de Oeiras não tem quadros técnicos licenciados em Economia e Gestão?

Quem põe termo a este regabofe, despesismo puro, delapidação das finanças municipais e gestão danosa?

Isaltino e Pato Donald